Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

O signo linguístico

 

             A Língua é um sistema, de sinais, ou de símbolos que serve de meio de comunicação. Por símbolo entendemos aquilo que por convenção, se substitui, a qualquer coisa, aquilo que está no lugar de outra coisa. A esses sinais, ou símbolos, é costume dar a designação de signos. Logo, a língua ou linguagem é um sistema de signos.

 

            “Signo linguístico” é segundo Saussure[1] (1857- 1913), o produto de uma associação da mente humana, entre um conceito, ou ideia, e, uma imagem acústica. Cada objecto (ou série de objectos) está representado, na linguagem, por determinadas palavras; no entanto entre o objecto e o conjunto de sons que constitui a palavra, está o espírito[2] de quem fala: é na mente do falante que se opera a associação psíquica do conceito com a imagem acústica. Assim o signo linguístico é o elemento que existe no nosso espírito para designar qualquer coisa.

             O nome não está directamente ligado à coisa que enuncia, mas representa-a através do conceito que dessa coisa se forma na nossa mente. Para Saussure, o significado é o conceito, a ideia e o significante é a imagem acústica.

                A nota dominante do signo linguístico, na opinião de Saussure, é a sua arbitrariedade (ou imotivação). Assim para este autor, não há motivo algum para que seja um certo signo acústico, e não outro qualquer, o que designa uma certa coisa; não há motivo para estabelecer-se uma relação evidente entre o significado e o significante. Pelo contrário: essa associação seria puramente convencional. O que parece certo. Embora a expressão “convencionalidade do signo linguístico”, proposta por outros linguistas seja talvez mais correcta e rigorosa que a palavra arbitrariedade (no sentido de aleatório, ou não sujeito a regras.), pois indica uma relação motivada pela necessidade, uma convenção portanto. É ainda lícito questionar se essa arbitrariedade de que fala Saussure, na realidade essa ausência de nexo, entre significante e significado, entre ideia, e imagem acústica que hoje dificilmente se encontra não terá existido em estádios mais antigos da linguagem, de que a situação específica das onomatopeias seria exemplo, embora realçando que mesmo nestes casos, estas diferem de língua para língua[3], revelando, talvez, o seu carácter essencialmente convencional.



[1] SAUSSURE,  Ferdinand, “Curso de linguística geral”,  Editorial D. Quixote, Lisboa.

[2] Entenda-se aqui, espírito como movimento da inteligência. N.A.

[3] Vejam-se as onomatopeias da banda desenhada: o riso espanhol, ou o ladrar de um cão inglês que na língua portuguesa, traduzem-se respectivamente por HÁ, há, ou Ão, ão…

 

publicado por soloquente às 21:10
link do post | favorito
De Renata de Melo Sousa a 7 de Abril de 2010 às 12:47
Signo Linguistico não se resume apenas a um conjunto de sinais ou simbolos segundo o próprio texto,sendo que podemos nos comunicar com as outras pessoas das mais variadas formas,seja através de palavras,gestos ou até mesmo de um olhar.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre...

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


.posts recentes

. Ecossistema

. SIGNO

. O signo linguístico

. Ainda sobre a teoria do d...

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds